Conheça 6 skatistas que também são artistas

O skateboard sempre teve uma relação íntima com a arte, em especial com a arte urbana, o skate em si é uma arte urbana, qualquer um pode identificar essa realidade nos próprios equipamentos para skate. Diferente de outros esportes, é comum encontrar em competições, pistas ou locais onde há a prática do esporte, da música e outras manifestações artísticas, como o grafite.

As manifestações artísticas que sempre andaram lado a lado com o skate geralmente estão ligadas a contracultura, hiphop, grafite, rap, punk, hardcore, poesia marginal, entre outras vertentes. Não é uma regra, mas tanto o skate quanto a contracultura nasceram em momentos muito próximos e eram (ainda são) vistos pela sociedade com muito preconceito e desprezo.

Você sabia que alguns skatistas profissionais não são artistas apenas em cima dos shapes? Alguns são músicos, fotógrafos, grafiteiros, artistas plásticos, escritores, designers, etc. Essa realidade se estende a skatistas amadores ou pessoas comuns que praticam o esporte como hobbie ou lazer, no post hoje você conhecerá 6 skatistas que também são artistas.

  1. Henrique Sanches Vilares

Conhecido como “For” no mundo do skate, Henrique é natural de Diadema, apesar de não ser um skatista profissional, For pratica o esporte há 15 anos e sua outra arte é o grafite. A paixão pelo grafite começou ao observar os encartes de álbuns de bandas, os desenhos dos equipamentos para skate, zine e outras formas de arte urbanas.

For é responsável pelo projeto Oficina de Grafite no Centro de Educação Popular Santa Joana de Lestonnac (CEJOLE) no bairro de Americanópolis em São Paulo, a ONG atende jovens de 09 a 15 anos das regiões de Cidade Ademar, Diadema e Jabaquara, são 131 crianças, 27 adolescentes e aproximadamente 347 famílias atendidas no espaço.

  1. Andy Howell

    andy-howell-interview-00

Há 10 anos o skatista atua na área de tecnologia, mas o skate ocupou a maior parte do tempo da sua vida, formado em artes, Howell é um dos responsáveis em unir hiphop, grafite e cultura urbana ao skate a nível industrial, muitos equipamentos para skate e vestuários de hoje tem a mão de Andy.

Além de diretor de criação da Black Sheep, Element Skateboard, 411 e Giant Distribution, ele é escritor, o livro chamado Art, Skateboarding & Life teve a primeira edição publicada em 2005. Considerado pioneiro em diversas técnicas e manobras no final da década de 80 até o final de 90 também deu sua contribuição para a New Deal.

  1. Robson Santana

Skate Até Morrer! Essa é a filosofia que norteou os mais 15 anos de skate de Robinho como é conhecido, natural das quebradas de Diadema, o skatista é designer, ilustrador e artista urbano. Apesar de ainda não ter fechado uma parceria com alguma marca, ele mesmo cria suas obras nos equipamentos para skate, sua arte nos shapes empoderam e dão visibilidade aos negros.

Foi através do punk rock que o skate chegou em sua vida, um shape de skate só era escolhido por Robinho se o desenho valesse a pena, as artes começaram principalmente para encartes de panfletos para sua banda. Hoje sua arte busca dar mais visibilidade e dignidade a ancestralidade africana em um país considerado racista.

  1. Chad Muska

    muska-header-artist-place-1024x680.jpg

Temos aí uma personalidade que só falta voar, skatista profissional, empreendedor, produtor musical, DJ, designer, designer de calçados, artista plástico, fotógrafo, participou de filmes e documentários. Além de ser um dos personagens do clássico game Tony Hawk Pro Skater. Chad Muska é um dos 30 skatistas mais influentes do mundo, seus patrocínios são os mais pesados do mercado mundial.

Muska não teve nenhum berço de ouro, na verdade, sua adolescência foi muito problemática e ele foi um sem teto antes do estrelato, os constantes problemas familiares e a inconstância de um lar e raízes o fizeram sair de casa aos 14 anos. Hoje diversas marcas, roupas, peças e equipamentos para skate de ponto ao redor do mundo tem a contribuição de Muska.

  1. Freu Gomes

Aos 28 anos, dos quais 17 foram dedicados ao skate, Freu Gomes é instruído na arte do grafite, mas sua atuação é com caligrafia e tipografia. A inspiração surgiu ao observar os mais velhos andando, dos VHS de skatistas profissionais e das músicas que ouvia: rap, punk, hiphop, harcore, ska, entre outras.

Sua arte entra nos equipamentos de skate, mais precisamente nas lixas, os letreiros inspirados no grafite recebem imagens com letras em formas geométricas incríveis, algumas de suas obras são tão simétricas que é difícil conceber que foram feitas à mão. Freu já foi convidado para exposições onde o skate é sua tela de arte e foi protagonista de vídeos e entrevistas exclusivas a canais e mídias especializadas em skate.

  1. Klaus Bohms

    klaus-bohms.jpg

O Skatista profissional de São Bernardo, Klaus Bohms também é músico. Em 2015, ele produziu a música da animação do Mark Gonzales, este é considerado pela revista Transworld Skateboarding um dos maiores skatistas do mundo.

Klaus Bohms quando faz suas composições, normalmente começa com o violão, depois coloca os instrumentos como o mini acordeon, o mini teclado, o metalofone e só depois ele escreve algo.

Klaus vê que sua referência musical veio do skate e sua cultura. Segundo o skatista, seus influenciadores na música, foram as Dorival Caymmi, Novos Baianos, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Arte e skate continuaram andando lado a lado, é correto afirmar que os dois fazem parte do mesmo conjunto, seja nas manobras que inspiram músicas e grafites ou músicas e grafites que inspirem manobras, o Skate Arts continuará fazendo história.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s